Skip to Store Area:

LIVRARIA DA FISIOTERAPIA

CARDIOGERIATRIA - WAJNGARTEN, MAURICIO 8572415572

Duplo clique na imagem acima para visualizá-la maior

Reduzir
Aumentar

Mais Visualizações

CARDIOGERIATRIA - WAJNGARTEN, MAURICIO 8572415572

Enviar para um amigo

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Em Estoque.

R$189,00

Descrição Rápida

CARDIOGERIATRIA

WAJNGARTEN, MAURICIO

Editora Roca
Tamanho 17x24
Encadernado
544 páginas
1ª edição

R$189,00
Acrescentar itens ao carrinho Adicionar ao Carrinho


As principais alterações produzidas pelo envelhecimento cardíaco concentramse no miocárdio e na aorta, com perda progressiva de miócitos e do componente elástico, respectivamente, bem como nas coronárias, por modificações nas células musculares lisas e na camada elástica da membrana interna.
A função sistólica do coração ileso não é comprometida?a fração de ejeção praticamente não se altera.
De fato, o processo acomete mais as propriedades diastólicas, uma vez que o miocárdio ventricular se espessa por aumento de tecido conjuntivo, de áreas hipertróficas e atróficas; com o declínio da complacência, eleva-se a pressão diastólica do ventrículo esquerdo e o átrio correspondente tende a aumentar.
A aorta sofre colagenização com a perda da sua elasticidade e tendência a deposições de cálcio; essas calcificações comumente atingem as cúspides, mas suas exteriorizações estetoacústicas, radiológicas ou ecocardiográficas podem não ter significado clínico importante.
Alteração autonômica se faz pela diminuição da sensibilidade ao estímulo beta-adrenérgico o aumento da freqüência cardíaca ao esforço é me-nos intenso.
Apesar dessas mudanças, o coração sadio do idoso responde de maneira adequada à demanda, desde que não exagerada.
Em decorrência de uma certa hipertrofia ventricular esquerda e do aumento de impedância aórtica, há base para desenvolver hipertensão sistólica.
Esta, uma vez estabelecida, constitui risco de acidente vascular cerebral e de infarto do miocárdio.
Real doença aterosclerótica comprometendo artérias coronárias é a principal causa de morte na velhice.
Ademais, sua grande morbidade se relaciona às lesões arteriais ? em território cerebral e em membros inferiores.
Disritmias isoladas, como as extra-sístoles, são pouco expressivas.
A fibrilação atrial pode ser um achado de exame rotineiro sem que o doente manifeste queixa alguma, mas não deixa de ter significado de risco importante suscitando cuidados especiais. Perturbações de condução do estímulo, observadas no seguimento de pacientes, freqüentemente decorrem sem problemas maiores, conquanto sejam bem observadas.
Manifestações de cardiopatia na velhice, por conseguinte, costumam ser atenuadas ou modificadas e nem sempre se consegue, com facilidade, distingui-las das conseqüentes apenas do envelhecimento.
A insuficiência cardíaca chega a Cardiogeriatria
ser muito sutil ou mascarada, e há eventos de insuficiência coronária sem quadro anginoso, por exemplo.
Ainda mais, em caso de outros processos patológicos, associados ou preexistentes, as reações podem ser diferentes e se exteriorizar diversamente das habituais, bem como haver queixas vagas ou inexpressivas; portanto, a possibilidade de uma sintomatologia se relacionar com doenças múltiplas não é excepcional.
Considerados esses fatos, na assistência medicamentosa impõe-se que a quantidade de drogas seja selecionada ao mínimo, mesmo na existência de outras afecções (.q.doença principal.q. é aquela que pode ser tratada).
Suas dosagens devem ser calculadas em razão dos seus aspectos farmacodinâmicos; interações, reações adversas ou suscetibilidades individuais devem ser evitadas.
Enfim, adequada aderência dos acompanhantes, no sentido de uma rigorosa observância da prescrição, constitui complemento fundamental
Desta maneira, tais complexidades fisiopatológicas, diagnósticas e terapêuticas, bem como a problemática da relação médico-paciente, tornam a clínica do indivíduo idoso um desafio fascinante
Em verdade, foi durante um congresso do Istituto Nazionale di Riposo e Cura per Anzianiem Ancona (Itália), 1982, que uma coletânea sobre cardiogeriatria se tornou inspiração para instituí-la em nosso país.
Assim, ao fim daquele ano, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) .q. Instituto Central e Instituto do Coração (InCor) .q. oficializaram-se os serviços de Geriatria e de Cardiologia Geriátrica, respectivamente. Instante feliz, mormente na vida universitária, embora efêmero, mas tudo leva a crer que foi muito frutífero.
Com efeito, este livro, de competente autoria do professor Maurício Wajngarten e colaboradores, deve ser um dos documentos marcantes da experiência do InCor obtida em mais de dois decênios.
Luís Gastão Costa Carvalho Serro-Azul

Índice
Aspectos Gerais sobre Envelhecimento Cardiovascular
Epidemiologia das Doenças Cardiovasculares no Idoso
Semiologia Cardiovascular no Idoso
História Clínica e Exame Físico
Exames Não Invasivos
Eletrocardiograma no Idoso
Ecodopplercardiografia na Avaliação do Idoso
Exames Invasivos
XX Cardiogeriatria
III. Afecções Cardiovasculares no Idoso
5. Doença das Artérias Coronárias no Idoso
6. Insuficiência Cardíaca
7. Valvopatias
8. Arritmias Cardíacas

Acrescentar suas Tags:
Acrescentar Tags
Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.